BONITO / MS

31º

21º

quinta, 25 de abril de 2019

quinta, 26 de agosto de 2010

Capítulo 4 - Quando lixo é lixo?

Se você achou esta pergunta esquisita, então tente responder: porque algumas pessoas caminham horas por trilhas carregando um peso enorme em latas de alimento, e quando essas latas estão vazias elas se recusam a trazê-las de volta - agora que estão mais leves? Qual é a mágica que transforma uma garrafa plástica em lixo assim que bebemos a última gota?

Se você achou a resposta difícil, eu lhe digo já: falta de educação e respeito ao meio ambiente e ao próximo.

Segundo alguns pesquisadores, cada brasileiro contribui em média com 1,5 quilo de lixo por dia. Desde o nascimento até a idade adulta, uma pessoa produz 25 TONELADAS. Faça um teste: ao final de um dia, pese todo o lixo de sua casa, incluindo restos de comida, embalagens, papéis, latas de cerveja, refrigerantes, tinta, sacos plásticos, fraldas, objetos quebrados, pilhas, etc. Divida pelo número de moradores da casa e você saberá qual é a sua contribuição individual.

Muitas cidades já estão em busca de uma solução. O grande problema é quando levamos esses maus hábitos para a natureza, sujando lugares em que o lixo pode trazer prejuízos muitas vezes irreparáveis para o meio ambiente e a comunidade local. Normalmente os lugares onde se pratica turismo de natureza não têm capacidade de absorver o lixo que vem de fora com o turista, por serem cidades pequenas e com pouca infra-estrutura. O pior é que a própria comunidade pode acabar se acostumando a conviver com a sujeira, correndo o risco de ter suas águas e seus atrativos turísticos poluídos, trazendo doenças e afastando os turistas (mas não foram eles que começaram essa história?).

Parece exagero, não é? Mas por via das dúvidas, na próxima vez que estiver andando pelas ruas ou numa trilha, procure o cesto de lixo para jogar o papel de bala, ou guarde-o no bolso ou na mochila até encontrar um local adequado. Você vai ver como a mágica da conservação ambiental fica muito mais legal.

Porém, a mágica mais bonita é a reciclagem e a re-utilização de sucatas, que se transformam em novos materiais e também em artesanato, oferecendo renda para as comunidades carentes. Procure informações em sua cidade e também sobre o destino do lixo nos lugares que pretende visitar.

COLUNISTA

Maria Antonietta

tietta@portalbonto.com.br

Maria Antonietta Castro Pivatto, Bióloga, especialista em ecologia e ecoturismo, mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional. Bloga no Bonito BirdWatching: http://bonitobirdwatching.blogspot.com/

COMENTÁRIOS

Site desenvolvido por: